quarta-feira, 11 de julho de 2012

Capítulo 1-


Capítulo 1-
Toc Toc!
Abro vagarosamente meus olhos, quando abertos levanto minha cabeça rapidamente e olho diretamente para a porta:
-Pois não? –já me levanto meio bamba.
-Senhorita! –o homem de antes, o de smoking, abre a porta vagarosamente. –Suas malas!
-Entre. –digo acenando com a mão.
-Pois não. –ele abre a porta, e outro homem traz as malas. Coloca-as no chão.
-Obrigada! –digo me curvando lentamente e levantando-me em seguida.
-Estamos a sua disposição, senhorita! –dizem em coro, e saindo do quarto. –Não se esqueça que tem aulas. Ainda hoje! –dizia o homem de smoking abrindo novamente e fechando a porta.
-M-mas ,hoje? –o homem já tivera saído.
Abri minhas malas, revirei uma delas para achar um vestido certo.
-Achei! –disse pegando-o e já retirando o outro que estava vestida. Rapidamente o vesti. Procurei novamente algo para colocar em minha cabeça. –Mas onde está você!!? –jogava tudo para os ares, mas tivera achado o que procurava. –Achei você minha tiara!!
Toc Toc!
-M-mas quem será, novamente? –resmunguei baixinho. –Pois não?
-Sua serviçal! –Auria ficara muito surpresa com o dito.
-Ser-viçal? –resmungo baixinho. –Pois não, entre!
-Vim... –se depara com Auria já vestida. –Eu iria vestir-lhe, senhorita!
-Mas eu não preciso disso! –fica com cara de emburrada.
A mulher vê toda aquela baderna que Auria fizera em seu aposento. Começou a pegar suas roupas do chão e dobrando-as vagarosamente em suas mãos delicadas. Olhou para Auria e foi até ela com passos lentos:
-Posso ajudar a arrumar? –dizia já arrumando a tiara de Auria em sua cabeça. Pegou em seus lindos cabelos sedosos, chegando ao acariciamento até o fim de seus longos cabelos louros. –Mas que lindo cabelo, Auria! Quem cuidará deles? –dizia ela levando-a ao espelho.
-Obrigada, servi... Qual o seu nome? –dizia virando-se para a mulher de olhos verdes e cabelos presos castanhos.
-Chamo-me Helena, senhorita! Serei sua serviçal. –dizia ela virando Auria novamente para frente o espelho e voltando a arrumar seus longos cabelos.
-Lindo nome. Helena! Adorei! –olhava-a pelo espelho com seus olhos brilhantes e encantadores.
-Obrigada! O seu... Digo, o da senhorita, também é muito lindo! –desviou o olhar.
-Não me chame de senhorita, por favor! Sinto-me muito diferente às outras crianças que são chamadas apenas pelos nomes, quanto a mim, “apenas senhorita”! É senhorita pra cá é senhorita pra lá. Não aguento mais apenas isso! Somente um Auria por dia já me bastaria. –Helena rira com o discurso de Auria, quanto à ela estava pulando e empolgando-se com o discurso, mas parara quando Helena começara a rir. –Desculpe! Às vezes falo de mais! –sorri olhando para Helena do espelho.
-Tudo bem! –dizia sorridente. –Seu cabelo está mais lindo ainda com esta tiara. Quem lhe deu? –dizia virando Auria para limpar seu rosto com um paninho úmido.
-Meu avô! Linda né! –pegara na tiara em sua cabeça. –Eu amo esta tiara!
-Muito linda! Mas para onde vai? –terminara de limpar o pequeno rosto, voltou a limpar, mas agora as mãos miúdas.
-Disseram-me que tenho de ir para as aulas, hoje! Logo hoje! –olhou para Helena fixamente. Vira confiança naquela humilde mulher.
-Mas tem de ir hoje! Para conhecer seus novos amiguinhos!
-Novos? Nunca nem tivera um, quanto mais novos! –baixou a cabeça, triste.
-Ora! Aqui terás muitos e grandes amigos! –dizia levantando a cabeça de Auria com um toque no queixo da pequena.
-Aqui neste lugar imenso por acaso tem... Ah deixa pra lá! –disse levantando a mão com supor de grande ideia.
-O quê, Auria? –disse Helena com olhar desconfiado.
-Ah! É uma coisa tão boba, mas que estou morrendo de saudades!
-Então digas, ora!
-Aqui tem chocolate? –disse com um olhar bondoso. –Por um acaso!! –desviou o olhar rapidamente. –Se tiver... Poderias ... Trazer... Ao meu aposento ? –soltou um belo sorriso conquistador.
-Claro, pequena! –rira tanto que ficou rosa, Helena.
-Muitíssimo obrigada, Helena! –segurava suas mãos. Largou-as com delicadeza. –Mas agora tenho que ir. Conhecer meus “novos amiguinhos”. –disse com cara de tédio.
Abrira a porta e já começara a trotar e bufar no corredor.
-Auria! –dissera Helena de seu aposento.
-Pois não? –virara toda doce.
-A senhori... Digo, você não sabe onde está indo!
-Eu dou um jeito. Perdida que não vou ficar! –dá de ombros.
Andei, andei, andei, e finalmente cheguei ao fim do corredor que mais parecera um caminho eterno ao ponto infinito. No fim do corredor, haviam dois caminhos. Qual seguir? *Seguirei o mesmo que o homem, ele sempre ia à esquerda...* Segui à esquerda. Outro corredor infinito. Chegara no fim do corredor, havia uma escadaria enorme. Olho para trás, *Onde estou? * fico assustada por desconhecer e estar perdida no primeiro dia. Comecei a andar mais e mais, desci as escadas para tentar algum lugar que ao fim conhecera no caminho que o homem me trouxera. Nada. Minha memória não era boa quando se falava de locais, ainda mais aos que desconheço por completo. Ao fim das escadas, me esbarro com, finalmente uma pessoa. Mas não ousei  falar com ele. Era um garoto louro, um pouco grande para a pouca idade *Ou era eu que era pequena de mais?* olhava para frente, tinha cara de ser um garoto muito mimado. *Com certeza deve ser!*
-O que há, pequenina? Estás perdida? –disse o garoto, sem sanidade. Pois segurou meu braço para parar-me.
-Não ouse tocar em mim! –chacoalhei meu braço para poder ele soltar-me. Puxei-o de volta.
-Se não o que belezinha? –encostou-se mais perto de mim.
-Ora! Seu atrevido, não sabes com quem falas!! –levantei meu punho fechado para um soco nas fuças do garoto abusado. Fui confiante, pois quando estava com apenas 7 anos de idade, esmurrei as fuças de um garoto valentão da escola que roubava lanches dos pequenos e triscou em meus cabelos. Quando levei meu punho fechado até seu rosto delicado o garoto rapidamente segurou minha pequena mão em sua mão enorme *O garoto era muito grande para sua idade, até as mãos? Nossa!!* que cobrira a minha, com isso levou minha mão para com segurando e fez-me uma chave de braço em meu pescoço.
-Não se deixe enganar boneca! –sussurrou em meu ouvido. –Lutas apenas nos jogos de esgrima! Entre se quiser batalhar comigo! Mas uma garotinha tão bela não devia ser tão bruta!
-Ora seu!! –impulsionei meu corpo ao dele e fui para trás, fazendo com que me soltasse.
-Você é bem forte, por ser tão pequena! –o garoto então me empurrou até a parede segurou em meus ombros, seus lábios estavam muito pertos dos meus! *Ai, será agora que darei meu primeiro beijo? Mas tão cedo? * -Aposto que és novata por aqui!
-S-sim! –disse trêmula, por que estava trêmula ?
-Prazer, me chamo Nathaniel. O vencedor de esgrimas! 

10 comentários:

  1. "O vencedor de esgrima"?????
    Raios!!! Pensei que era o Cast-kun, sabia???
    Você quase me enganou... *u*
    E agora? O que será que vai acontecer???
    Estou ansiosa... *--*

    ResponderExcluir
  2. Muaahahahhahahhahahahahhahaha
    *oooooooo*
    Espere para o próximo capítulo xDDD
    Que troll xDD
    *oooo*

    ResponderExcluir
  3. O queeeeee? Como assim Nathaniel é o vencedor de esgrima? Onde esse mundo foi parar?! kkkkk
    Gostii! Quero ler mais!
    Kissus my flower.

    ResponderExcluir
  4. Obrigaada minha pincesa *ooo*
    hahahhahahhahahhaha
    Yeah! É o Nathaniel *o*

    ResponderExcluir
  5. eu sabia que era o Nathaniel *u* meio safadenho esse Nath, ele gosta de menores XD mas eu gostei XD aguardo ansiosamente pelo próximo capítulo ^^''

    ~~Hoshi-chan~~

    ResponderExcluir
  6. *ooooooo*
    Hahaha ele é safadenho aí né xDD
    *o*
    Obrigada \o

    ResponderExcluir
  7. Nathaniel , muito sedutor *O*
    amei @u@

    ResponderExcluir
  8. *o*
    Hahahahah *o*
    lindo né *o*
    Obrigada Cabrita *o*

    ResponderExcluir
  9. Que safadeeeeenho kkkkkkk
    Morri*
    Nossa, Nathaniel seduziu assim kkkk
    Meu, meu ú.ú'

    ResponderExcluir
  10. HAhahhahahhaha *o*
    Safadenho né xD *o*

    ResponderExcluir