sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Espinhos do Amor - Capítulo 14


Últimos Preparativos

          Já estava quase tudo pronto para o baile, estava ficando tudo tão perfeito, nem parece que isso já foi um ginásio de colégio um dia. O tema desse ano é “Gloriosa Realeza”, então o ginásio parecia um grande salão de festas em um palácio, cada detalhe estava mais perfeito que o outro. No centro do salão havia um grande lustre dourado que iluminava todo o local, o chão parecia feito de pequenos ladrilhos brancos que brilhavam com a luz do lustre. Em um canto havia uma mesa enorme para os comes e bebes com alguns castiçais com velas (luzes imitando velas na verdade) e atrás haviam enormes janelas de onde se podia ver as luzes de um pequeno vilarejo ao longe. Em outro canto havia uma vitrola onde seria tocado as músicas do baile. Ao redor de todo o salão também havia vários candelabros com luzes imitando velas e quadros de paisagens, castelos, reis e rainhas. Enfim, estava tudo perfeito.

          Hoje a Auria e eu vamos às compras, mas hoje tem um motivo especial: o baile! Ou seja, hoje o nosso dia vai ser bem corrido: vestido, sapatos, acessórios, agendar cabelo e maquiagem, etc. Como dizem, a roupa define tudo, então... Primeiro aos vestidos.
          Nós devíamos ter entrado numas 20 lojas diferentes atrás da roupa perfeita até que encontramos uma loja perfeita “Brilliance Fashion”. Era quase impossível olhar para um vestido sem babar nele. Auria e eu experimentamos a loja toda até decidir qual levar. A Auria escolheu um vestido todo preto que ia até os pés , com algumas camadas de babado da cintura para baixo, tinha uma gola alta, e como era sem manga, vinha com umas luvas que iam até a metade do antebraço e tinham um laço preto e branco com um detalhe dourado. Ela parecia uma versão sombria da Branda de Neve. Já o meu vestido era um tomara-que-caia roxo que ia até os joelhos, o corpete era bem justo e tinha uma fita lilás trançada na frente e, da cintura para baixo, tinha varias camadas de véu (roxo, lilás, roxo,...) fazendo com que ele ficasse bem volumoso.
          Depois disso, fomos atrás dos sapatos, o que foi mais fácil, Auria e eu escolhemos uma sandália com um salto enorme (quero ver como vou usar isso), com umas tiras trançadas até quase a metade da canela, o da Auria era dourado e o meu era prata. Depois compramos alguns acessórios, como brincos, gargantilhas e uma pulseira pra mim (como a Auria vai de luvas, não vai precisar de pulseiras.). Agendamos o cabelo e a maquiagem para o dia do baile, e estava tudo pronto. (É hoje que nossos pais nos matam, não quero nem ver quando eles descobrirem o quanto gastamos.)

No dia do baile.

          Enfim chegou o grande dia, eu e a Auria passamos o dia todo preocupadas em arrumar cada detalhe, para que tudo ficasse perfeito para hoje à noite, nós teríamos demorado o dobro se não fosse a Michelle pra nos ajudar. Sim, eu aceitei o pedido de paz dela, mas ela que dê um passo em falso que eu revelarei o meu lado maléfico.
          Quando o Felipe chegou, meu pai nos levou, para pegar o Alejandro na casa dele e depois fomos direto para o colégio.
          Do lado de fora do colégio, foram montados alguns painéis que fizeram a escola parecer um verdadeiro castelo. Do lado de dentro, agora que as luzes estão todas acesas, da pra ver que realmente valeu a pena todo esse trabalho duro.
          Nós quatro entramos no grande salão e nos sentamos em uma das mesas que havia ali. Já havia muitos estudantes por todo o salão, mas ainda faltavam muitos, grande parte dos garotos estavam no estacionamento, uns estavam sem par, outros estavam contrabandeando bebidas alcoólicas, já que era proibido beber aqui dentro.
          Estava tocando uma música muito animada, mas eu não aguentava ficar mais um minuto em pé, esses sapatos estão me matando, por isso não dancei. (A verdade é que eu não sei dançar.)
          – Como é que a Auria consegue dançar com esses sapatos? – perguntou Felipe curioso.
          – Ela está acostumada com elas, visto que ela é baixinha, ela precisa de um bom salto pra se igualar aos outros, se é que você me entende, RS.
          – Ha! Ha! Ha! Ha! Ha! Coitada da Auria, ela não tem culpa de ser baixinha.
          – É verdade. E me desculpe por te fazer ficar aqui sentado enquanto podia estar lá se divertindo.
          – Não se incomode comigo, eu estou me divertindo só de estar aqui.

          [...]

          “Sinto muito lhes informar, mas as músicas agitadas acabaram, agora começam as lentas, quero ver todos os casais dançando ouviram? Aproveitem!”

          – Me da a honra dessa dança senhorita? – perguntou Felipe se levantando e esticando a mão nua forma de referência.
          – Ha! Ha! Ha! Ha! Não. Eu já disse que não consigo ficar em pé.
          – Vamos Mily, é só uma dança, alem do mais, música lenta nem precisa se mexer muito.
          – Mas eu nem sei dançar...
          – Eu te ensino, vem! – ele me puxou e começamos a dançar meio desajeitados, mas dançamos.

          Quando a música começou, as luzes do lustre se apagaram e ao mesmo tempo se acenderam vários candelabros por todo o redor do salão, deixando o clima perfeito para as músicas lentas.
          Eu devo ter dançado (pisado no pé do Felipe) umas cinco músicas, depois disso minha cabeça começou a doer com tanto barulho.
          – Felipe, eu vou lá fora tomar um ar.
          – Espera que eu vou com você.

          [...]

          – Desculpa ter feito você vir comigo, é que eu não gosto muito de barulho.
          – Tudo bem. Lá dentro também está muito abafado.
          – Mas valeu a pena, eu me diverti muito essa noite.
          – Eu também me diverti muito, porque estava com você. ~ pisca.
          – Não começa Felipe...
          – O que foi? Não posso ficar feliz por estar com a minha melhor amiga?
          – É claro que pode. – eu me virei para dar uma olhada na paisagem ao redor e quando olhei para o Felipe de novo ele estava me encarando, a apenas dez centímetros de mim.
          – Felipe, não...
          – Shiiii! – ele colocou o dedo indicador sobre os meus lábios e depois o substituiu pelos seus próprios lábios, selando um beijo lento e calmo, mas com muito sentimento.


          E ai? O que acharam? Dessa vez eu caprichei. Cliquem nas palavras em destaque para ter uma ideia dos objetos citados. 
          Eu mereço um comentário, não mereço? Então digam se gostaram ou não e o que deve melhorar, assim eu ficarei muito feliz e animada para escrever o próximos capítulo. ^^
          beijinhos, 
                    ♥Mily♥

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Espinhos do Amor - Capítulo 13



Apenas Amigos

          *Eu abri os olhos e vi uma luz muito forte ao meu redor. Quando finalmente pude ver o lugar a minha volta eu percebi que estava no colégio, o que é estranho, pois eu não me lembro de ter vindo aqui. Eu me levantei lentamente do gramado onde eu estava deitada e foi quando eu reparei que ainda estava de pijamas. “Eu não acredito que vim pro colégio de pijamas de novo!” Eu tentei chegar até a entrada para poder ir pra casa e me trocar, mas parecia que quanto mais eu andava, mais longe da saída eu ficava. Quando finalmente cheguei ao portão da entrada tinha alguém me esperando, era a Steicy e suas amiguinhas idiotas, “Olá queridinha”, ela disse. Eu tentei me desviar delas, mas elas fecharam o portão e começaram a vir na minha direção, nesse momento eu saí correndo, mas a cada corredor que eu virava havia um grupo de alunos me olhando com raiva nos olhos e começavam a me perseguir, até que eu cheguei ao pátio, mas havia um beco sem saída, foi quando todos os alunos do colégio se fecharam em um circulo a minha volta e começaram a tirar sarro de mim como coisas do tipo: “Mily, Mily! Você ainda continua a mesma idiota de sempre, eu não acredito que você pensou que alguém realmente iria gostar de alguém, e como se alguém fosse querer ser seu amigo.” E foi quando eu vi que quem dizia isso era ninguém menos que a Auria. O Felipe também estava ali, e foi ai que eu desabei. Eu fui traída até pelos meus melhores amigos?*

          – Mily, to entrando. – disse Auria entrando no meu quarto e pulando em cima de mim, me fazendo acordar num pulo.
          – KYAAAAAAA!!! AURIA!!! Isso é modo de entrar na casa dos outros? ¬.¬
          – Dos outros não, da minha melhor amiga sim. u.u
          – Me deixa dormir, Auria.
          – Nana nina não. Você prometeu que ia sair comigo hoje, lembra? Passar o dia juntas como sempre. *-*
          – Hoje eu não to a fim de sair, Auria. Volta na semana que vem.
          – O que você tem Mily?
          – Sono.
          – To falando serio, você não está no seu normal hoje.
          – Mas eu não sou normal, esqueceu?
          – Mily, me diz... ~ carinha de cachorrinho ~ O que está acontecendo? Diz pra eu.
          – Eu só tive um sonho ruim, é isso.
          – E como foi?
          – Eu não lembro...
          – Há, há, há! Mily, agora eu to falando serio, você está me deixando preocupada. Você decide, você vai me dizer ou será que eu vou ter que chamar o Felipe para te fazer falar?
          – NÃOOOOOOOOOOOOOOO!!!
          – Nossa! Porque não?
          – Er... Ele deve estar ocupado e alem disso eu já disse que eu não tenho nada.
          – Mily...
          – Ta bom, ta bom. Se isso vai fazer você me deixar em paz... O Felipe se declarou para mim. =/
          – Ah... Espera ai. Como assim ele se declarou?
          – É isso mesmo o que você ouviu.
          – Tipo, era óbvio que ela gosta de você, era isso ou ele era gay. E gay eu tenho certeza que ele não era. Mas como foi? E o que você disse? Me conta Mily.

          ~ Contando tudo ~ (Pra quem não sabe como foi favor ler o capítulo 12. Grata. >.< )

          – Mily! Eu não acredito que você fez isso. Como você pôde sair correndo depois que ele disse?
          – E o que você queria que eu fizesse?
          – Eu não sei, mas essa com certeza não foi a melhor coisa a fazer. Imagina você no lugar dele, como você iria se sentir? Ou melhor, como você acha que ele está se sentindo?
          – Valeu Auria. Eu nem estava me sentindo culpada mesmo. Valeu por me deixar pior do que eu estava.
          – Mas Mily, se você se sente culpada como você diz você deveria falar com o Felipe. Vocês são amigos, eu tenho certeza de que ele vai entender.

          Depois de pensar por algumas horas eu finalmente me decidi e fui falar com o Felipe, como eu sempre digo: “Uma grande amizade não pode acabar por uma simples bobagem.” E a Auria realmente tinha razão, ele me entendeu, mas mesmo dizendo que ia se contentar em ser apenas meu amigo ele disse que nunca iria desistir de mim. Garotos. -.- (Mas vamos admitir que isso foi muito fofo.)

          Algumas semanas se passaram e tudo voltou ao normal. A Auria e o Alejandro estão se dando super bem e a amizade entre o Felipe e eu está cada vez mais forte. Agora como representante de classe, eu estou sendo obrigada a ajudar a escola a organizar o baile da primavera (uma grande tradição da escola), mas até que dessa vez está sendo divertido. Ver este lugar ficando tão bonito e decorado acaba sendo muito animador. Só é uma pena eu nunca poder participar desses bailes, já que é obrigatório levar um acompanhante. Pelo menos esse ano a Auria vai poder vir e se divertir por nós duas.

          – Mily! Que bom que te encontrei, eu já estava indo embora. Posso falar com você por um instante? – disse Felipe chegando meio exausto.
          – Claro.
          – Eu ouvi que você não tem um par para o baile e como eu também não tenho, será que você aceitaria ir comigo?
          – Felipe...
          – Eu só acho injusto você trabalhar tanto por uma coisa que no fim não vai poder aproveitar. Então eu pensei, porque não? Vamos como amigos, afinal nós também merecemos nos divertir. E então? O que você me diz?
          – Só como amigos?
          – Sim, só amigos. (a não ser que você queira algo mais)
          – Então eu aceito. ^^

Se gostou comente e se não gostou comente também. XD (E faça uma garotinha feliz!!!)

sábado, 17 de novembro de 2012

Espinhos do Amor - Capítulo 12


Operação Cupido parte II


          ­– Esse Alejandro parece ser uma boa pessoa.
          – Parece não, ele é. Além do mais o que você queria? Não é a toa que ele é meu amigo. ~pisca~

          Felipe e eu ainda estávamos com o nosso plano de cupido em ação.

          – Eles formam um casal tão lindo, mas só precisam de um empurrãozinho. Por falar nisso, onde será que a Auria está?
          – Ha! Ha! Ha! A Auria não te contou? Ela está na casa do Alejandro ajudando-o com o “dever de casa”.
          – C-Como assim? Porque ela não me disse nada? Ou melhor, como é que você sabe?
          – Simples! O Ale me contou. Calma Mily, não precisa ficar furiosa, eu só acho que eles queriam uma oportunidade de ficar a sós, sem a “Mily” para atrapalhar.
          – Eu não atrapalho ninguém, RHUM! Eu só me preocupo com o bem-estar, a segurança e a felicidade da minha melhor amiga.
          – Mas não precisa de tanto cuidado, os dois já são bem grandinhos e eles sabem se cuidar.
          – Eu sei, mas e se o Alejandro não for a melhor pessoa para a Auria? E se ela começar a se afastar dos amigos por causa dele? E se...
          – E se nada Mily! Para de paranóia! A Auria está bem. E ela vai continuar bem. Palavra de garoto misterioso. õ/
          – Sabe, eu meio que estou com ciúmes da Auria e não é só pelo Alejandro ter roubado ela de mim, mas também por ela estar com alguém que realmente gosta dela e não uma armação como aconteceu comigo. Acho que eu estou destinada a ficar sozinha.
          – Não diga isso Mily, você só fez uma escolha errada. Acredite em mim, a sua alma gêmea deve estar por ai só esperando você abrir os olhos e encontrá-lo.
          ­– Pode ser, mas eu não estou preparada para me envolver com alguém tão cedo.
          – Espere e tudo acontecerá no tempo certo, não precisa ter pressa.
          – Eu espero que sim.

                  “Gmssajugi ja seoro yaksok / You are my best friend” ♫♪♫ 
         (Meu celular começou a tocar, e quem reclamar do meu toque que esteja preparado para morrer ¬ ¬)

            ­– É a Auria! *-* Da licença que eu preciso atender, minha melhor amiga não pode esperar.
            – Há, há, há! Tudo bem, eu preciso ir. Depois a gente se fala pequena. – ele deu um beijo na minha testa e se foi.

            “O que foi Auria?... Agora?... Tudo bem, eu já estou indo ai. Tchau!”

            Não sei o que aconteceu, a Auria disse que precisava falar comigo urgentemente, é melhor o Alejandro não ter feito nada que possa acidentalmente causar a morte dele.

            Chegando na casa da Auria...

            – MILY!!! Ainda bem que você chegou, vamos subir, eu tenho uma coisa muito importante pra falar com você. Vem! – a Auria me puxou tão forte que eu não sei como o meu braço não saiu.
            – Olha Auria, se aquele cara te fez alguma coisa eu juro que...
            – Não é nada disso sua boba. – ela me olhou com um sorriso tão grande que só poderia significar uma coisa... – O Alejandro me pediu em namoro!!! *---------*
            – O que? Eu sabia! Meu plano infalível de cupido nunca iria falhar. RHUM! Meus parabéns Auria!
            – Obrigada. Você não faz ideia do quanto eu estou feliz. *-*

            Auria e eu ficamos mais algumas horas jogando conversa fora e depois eu fui pra casa.

            “Finalmente paz e descanso. Só preciso de uma boa noite de sono e...”

                  “Gmssajugi ja seoro yaksok / You are my best friend” ♫♪♫ 

          “– O que você quer a essa hora, Felipe?”
          “– Me encontre no lugar de sempre. Agora! Tu, tu, tu,…”

          – Esse garoto sempre faz o que ele quer. Isso me irrita! ~ E eu tava querendo dormir. ~  =/

          Chegando ao lugar combinado (terraço da casa abandonada u.u)…

          – Vamos Felipe. Fala logo o que você quer que eu preciso ir dormir.
          – Mily, da pra parar de ser chata, o que eu preciso falar com você é serio.
          – E o que é tão serio assim? – olhei pra ele já preocupada.
          – Bom... – ele respirou fundo e começou a falar. – Você sabe que eu me aproximei de você para te proteger daquele canalha e isso acabou nos tornando grandes amigos, mas tem uma coisa que você não sabe. – nesse momento Felipe fez uma pausa, como se estivesse pensando em uma forma de explicar o que se passava em sua mente. Quando voltou a falar, suas palavras saíram tão rápidas e baixas que eu quase não pude acompanhá-lo. – Eu não sei como nem quando, mas eu... Eu... Deixe eu ser direto, eu estou apaixonado por você.

          Eu confesso, isso me surpreendeu. Eu fiquei tão chocada que minha voz não saia, eu só conseguia sentir minhas lágrimas escorrendo pelo meu rosto.

          – Desculpa, mas... Eu não... Me perdoe. –e antes que ele pudesse dizer mais alguma coisa, eu já tinha descido as escadas e estava correndo para minha casa e mergulhei minha cabeça no travesseiro para abafar minhas lágrimas.

          “Me perdoe Felipe, mas eu já tive decepções demais e eu não quero sofrer de novo.” E com esses pensamentos acabei caído no sono.

      *Tradução do toque do celular: Tudo bem, vamos fazer uma promessa / Você é meu melhor amigo (a). ♫♪♫

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

YOO MINNA!




          Sentiram saudade? Não? OK. ‘-‘

          Eu só passei pra dar um aviso: EU. VOU. VOLTAR. O.O
                  (para a infelicidade de todas as docetes u.u)

          Agora vamos parar de drama e ir direto ao assunto.

          Eu andei sumida, é verdade. Mas eu juro que a culpa não é minha, é dele >>> Éden Eternal.

          OH MY GOD! ESSE JOGO É MUITO VICIANTE, VOCÊS PRECISAM CONHECER!
               *-----------------------------------------* 

          Mas meu vicio já está parando, minha inspiração voltando e os novos capítulos de Espinhos do Amor já estão no forno. õ/

          Por isso não deixem de acompanhar o Fan Fic's A. D.


  • Ultimas emoções de Espinhos do Amor.
  • Duas novas fic's
  • Uma surpresinha pra vocês u.u


          P.S.: Só vou postar os capítulos se alguém pedir. u.u

                    Bye bye,

                         ♥Mily♥.

          ~Le saindo correndo pra ir jogar.~ *w*