sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Capítulo 8



Capítulo 8
-Seu presente está o mais próximo que imagina, Senhorita Auria! –sorri, com uma face indescritível, Albert.
-Onde está, vovô? –ignoro o garoto, friamente.
O garoto fica boquiaberto, com a facilidade que tive de ignorá-lo.
-Venha! –Luís segura minha mão e rapidamente saímos da grande sala.
Aquele tumulto que estava ali do lado de fora e de dentro começava a tornar um círculo diante de nós dois. O garoto, Albert, ficou ali encostado na parede, quieto.
Olho à minha frente, e vejo um pequeno potro, quieto na sombra da grande árvore que havia ali.
-Estou incrédula! –olho para Luís e ao mesmo, olho para o potro.
-Acredite, querida! –sorri, colocando sua mão sobre a barriga.
-Vovô! –corro até ele e dou um abraço por impulso novamente, estava realmente muito feliz.
Nunca tivera ganhado um presente tão bom e com algum fim, que não fosse para o bem de minha mãe ou meu pai, mas sim com um interesse próprio dito a mim, e com gostos meus. Uma coisa que eu realmente queria.
Corro até o potro, paro a sua frente, vagarosamente olho em sua face... Levo minha mão, delicadamente até seu focinho... Ele recua rapidamente...
-Calma garoto... –digo numa voz suave, e ainda tentando minha mão chegar perto dele.
-Senhor! –diz algum dos guardas de meu avô, para ele.
-Deixe-a! –apenas levanta a mão direita, rapidamente, fazendo o homem parar imediatamente.
Minha respiração estava um tanto nula naquele momento, o potro estava ofegante e com medo... Sorrio para ele, com uma leveza surpreendente e meiga... O potro, vagarosamente batia as patas traseiras, e vinha um pouco mais a frente... Consequentemente minha mão triscou em seu focinho, logo o fiz carinho, meigamente e suavemente, o potro recua rapidamente, mas volta.
-Isso, garoto! –sorrio e tomo a iniciativa de acaricia-lo mais, levando minhas mãos ao seu focinho com mais confiança, sorrio.
-Mas o quê? –o mesmo guarda fica confuso.
-Ela é uma Bientomz, caro rapaz! Ela tem o dom... –Luís sorri olhando para sua neta.
O garoto, Albert, ficara olhando Auria de longe, sério. Logo que observa ela acariciar o potro, sorri.
-Ela realmente tem o dom... –sorri, Albert.
-Vovô! –olho rapidamente para ele, sorrindo. Como se houvesse uma grande descoberta ali, perante mim.
-Sim querida? –ele sorri.
-Qual o nome dele? –acaricio-o novamente.
-Ele é seu, tu escolherá! –aponta com a mão, para o potro.
-Oh... –digo pensativa. –Então... –olho para o potro. –Qual nome queres? –acaricio-o, sorridente e pensativa.
-Príncipe! –um dos guardas chamam Albert, quem estava montando num cavalo, sem alguma proteção... Afinal, quem precisa de proteções absurdas, para montar à cavalo?
O potro relinchou, parecia feliz com o dizer do guarda.
-Prince? –acaricio-o sorrindo, chegando a conclusão de seu nome. Ele parecia feliz com a decisão.
-Quer montar? –o garoto para com o cavalo ao meu lado, e estende a mão.
Olho friamente para ele, logo desvio o olhar para o potro, ou melhor, Prince.
-Príncipe! –o guarda insiste.
-Venha logo! –ele puxa meu braço rapidamente e com o impulso eu subo no cavalo mais rápido. Dispara com o cavalo de grande porte.
-O que pensa que está fazendo? –fico enraivada, na traseira do cavalo.
-Apenas quero lhe mostrar o local, e aposto que nem sabes andar a cavalo. –sorri, disparando mais o cavalo, seguro firme em sua cintura, para proteção.
-
-Ora... –Luís sorri. –Esse Albert! –gargalha.
-Ele não tem jeito mesmo! –Saval olha para Luís balançando a cabeça em negação.
-O que faremos, senhor? –um dos guardas perguntam.
-Nada! –o Rei solta duma só vez.
-Nossa... Vocês viram isso? –pessoas ao redor começam a comentar.
-Ela soube falar com o cavalo... –ri uma garota, com deboche.
-Ela devera ser uma égua para conversar com ele! –ri outra, com deboche.
-Se é que não é! –outra ri mais.
-Vocês duas deveriam calar-se, pois até mesmo um cavalo tem mais elegância que vocês três juntas! –o garoto de cabelos grisalhos solta numa raiva só.
-Ah, nem vem... Fedelho Lysandre! –diz uma garota de longos cabelos louros e olhos verdes.
-Você não tem o direito de falar assim de uma pessoa, ainda mais a quem nem ao menos conhece! –ele parecia estar atento com a tal garota. –Ambre...
-O que está havendo aqui, crianças? –Saval chega com uma face de preocupação.
-Não é nada, senhor Saval... Lysandre acha confusão com todos! –Ambre solta numa dó, e com uma face de meter dó.
-Não quero saber de confusões... –ele sai, mas fica a espreita.
-
-O garoto sabe montar desde os 4 anos de idade... Não tem mal algum... Ainda... –Luís fica um pouco apreensivo e confuso.
-Não se preocupe, Luís! –Saval chega e dá um tapinha em suas costas. –Ele não tem idade para pensar neste tipo de coisas!
-Oh?! –Luís olha confuso para Saval. –Que tipo de coisas?! –ele fica mais confuso ainda, colocando a mão na cabeça olhando e entreolhando para os lados e à frente.
Saval fica boquiaberto e entra em “desespero”. Colocando as mãos na cabeça olhando para um lado e outro.
Quando menos esperam, um garoto sai a galopes dali. Quase esbarra-se numa das pessoas que ali estavam em tumulto.
-Quem era? –pergunta Ambre confusa, saíra até mesmo, poeira esfumaçada.
-Não sei... –Lysandre olha confuso, colocando sua mão sobre os olhos, por causa da poeira.
-
-Mas não precisava ter me “sequestrado” assim... –digo espantada e enraivada com a atitude do rapaz. Olho para os lados, que realmente nunca tivera visto... E era muito belo, muitas árvores altas, o lago... Grama, rochas, flores...
-Eu não te sequestrei, senhorita Auria. –diz sarcástico.
-Não me venha com essa... –olho em volta, sem dar muita atenção ao garoto. –Obrigada... –o aperto mais... Por segurança é claro...
-Pelo quê, princesa? –começa a parar o cavalo, perto do lago.
-Pelo passeio, e por me mostrar... Você também é príncipe, não é? –olho em volta, o cavalo para e ele tenta me ajudar, eu pulo do cavalo, bruscamente, ignorando sua ajuda.
-Sou... Não mude o assunto, senhorita Auria. –fita suas próprias mãos, que fora deixadas solas.
-Eu não sou princesa, ainda. –vou para perto do lago. –Me leve de volta! Nem sei o por quê me trouxe aqui! –fito meu reflexo sobre a água.
-Desculpe, Auria... Mas para mim, já es uma princesa. –se aproxima de mim.
-Sim... Logo serei... Quem sabe! Se vovô deixar o posto de Rei... –fito meu reflexo e logo chuto uma pedra na água, e vou diretamente para ao lado do cavalo para ele poder me levar de volta.
-Ah... Como suspeitei! –sorri, abismado olhando para mim, ao lado do cavalo.
-O quê? –arqueio as sobrancelhas enraivada e confusa.
-A senhorita Auria não sabe montar a cavalo! –ri, apontando para o cavalo.
-Ora seu! –serro o punho em direção a ele.
Me viro, enraivada, olho para o cavalo, sem pensar pego a rédea do cavalo e levo meu pé até o estribo, me impulsiono até a cima do mesmo e faço um barulho como se estivesse beijando. Impulsiono meus pés na barriga do cavalo, estava numa posição não muito confortável, estava muito inclinada.
-Auria! Não faça isso! –Albert ergue a mão, correndo até mim.
O cavalo começara a correr com meu impulso.
-Há! Quem não sabe galopar agora? –debocho Albert.
-Você não sabe Auria! –ele grita de lá.
-Ai ai... É mais fácil que imagina! –faço mais impulso no cavalo, ele era muito alto, parecera que estava ficando agressivo com o impulso. Comecei a ficar com medo...
-Calma garoto! Calma... –comecei a tentar acalmá-lo, acariciando-o.
Ele ficava mais assustado e agressivo, começara a se mover sem direção certa.
-Auria! –ouço uma voz de longe.

4 comentários:

  1. Oi Auria faz tanto tempo que não nos falamos né? Entra no MSN *-*
    Bem eu li e adorei esse capítulo continue ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é! XD
      Obrigaada *O*
      Logo irei postar o outro *O*
      Talvez amanhã *O*
      Digo, hoje XD

      Excluir
  2. Eitah quem será que chamou a Auria enquanto ela estra prestes para morrer??? :0
    Menina quem manou você ir andar de cavalo se nem sabe??? u-u rhump sua teimosa kkkk
    Tenho um pressentimento a respeito desse príncipe (nem vou perguntar já que você não vai me responder mesmo e--e) kkk
    A Ambre não têm a moral de falar que a Auri é um égua só por falar com o cavalo, afinal ela fala com vacas toda hora, já que ela é uma u-u
    Muito bom Auri continue assim!!

    Aproposito, quem fala é a Louise (preguiça de mudar de conta kk)

    ResponderExcluir
  3. AHHAHAHAHHAHHA!
    Quem será? *O*
    Num sei nada sobre esse prícinpe, pergunte no lugar certo, que terás a resposta u.u
    XD
    Ela é uma vaca ambulante mermo xD
    Aquela vaca u.u
    Obrigada lindra *O*

    ResponderExcluir